Viagens

Morando Fora: Lys na Ucrânia

Sabemos que morar fora é o sonho e o objetivo de muitas pessoas, mas nem sempre parece fácil se planejar ou nem sempre sabemos por onde começar!

Por isso, entrevistei algumas amigas que moram em Países diferentes, para termos uma percepção melhor do que é deixar o seu País para se adaptar a outro.

Essa é a Lys, ela mora na Ucrânia junto a seu marido (ucraniano) há 1 ano e meio, ela nos contou um pouco de como foram os seus planejamentos e como tem sido a sua vida dia a dia.

Esse foi o primeiro Inverno da Lys na Ucrânia.

Quem é você?
Eu sou a Lys, tenho 27 anos, formada em jornalismo e ex moradora da zona Oeste de São Paulo.

Qual foi o motivo da sua mudança? (Por qual razão esse país?)
Saí do Brasil pois estava ficando doente. Trabalhei em uma empresa que me levou ao extremo do stress e achei que seria melhor para minha saúde pedir demissão. Meu, até então namorado e hoje marido, que é ucraniano, também não estava muito feliz com o emprego dele. Além disso fazia quase 5 anos que ele não via os pais. Então, pedimos demissão, noivamos e viemos pro país dele, a Ucrânia.

Houve algum planejamento a longo prazo? (Como foi esse planejamento?)
A gente decidiu ir embora em setembro e em dezembro embarcamos. Então, não teve um planejamento muito longo. No quesito finanças, a sorte é que naquela época eu tinha um dinheiro investido no Tesouro Direto, saquei tudo, além de alguns pagamentos de benefícios por conta da nossa demissão. Sobre aprender o idioma daqui a gente sabia desde sempre que eu iria frequentar algum curso, até mesmo como maneira de conseguir minha documentação, e assim fizemos. O Roman já tinha casa por aqui e no mais assisti MUITOS vídeos no YouTube sobre a cidade onde moro, Kyiv, e o país como um todo.

Demorou a se habituar ou ainda está se habituando?
Eu me adaptei melhor que o Roman! Comecei a trabalhar por aqui muito cedo, tinha acabado de completar 1 mês no país quando consegui meu primeiro emprego, então acabou que isso fez com que eu fizesse amigos locais e fosse me inteirando da cultura e costumes deles.

Você já trabalha neste País?
Agora estou desempregada mas já trabalhei em duas empresas como desenvolvedora de projetos Ucrânia-Brasil.

Houve alguma dificuldade de adaptação?
Acho que o pior para mim é o inverno. Nem tanto por causa do frio mas pela ausência de sol. Preciso tomar complemento de vitamina D e outros nutrientes pois é muito punk a situação.

Comida, foi fácil se adequar?
Odeio a comida aqui e na nossa casa se como (quase) como se fosse no Brasil.

Tem pretensões de morar em outro lugar ou se firmará aí por um tempo?
Queremos ir pulando, agora com as fronteiras todas bloqueadas não sabemos ainda, mas a ideia é passar um tempo em algum país da União Europeia, como Portugal, Itália, Alemanha ou França.

Qual a maior dificuldade encontrada em morar fora do seu País?
Pra mim é a sensação de que serei para sempre uma estrangeira, ainda mais aqui. A Ucrânia era fechada para turistas até quase 1991, imigração é uma coisa nova e somente 1% da população é negra. Não tem um único dia que eu não saia de casa que eu não receba olhares como se eu fosse um ET. Não chega a ser racismo, porque racismo mesmo era o que sofria no Brasil, mas eu sou muito diferente do padrão daqui.

Houve preconceito em algum momento por ser estrangeira?
Sofri racismo por parte de uma atendente num mercadinho perto de casa. Comentei com ela que naquele dia estava fazendo frio e ela disse: se está com frio volte para a África. Além desse caso os meus sogros não falam comigo pois eu sou “estrangeira demais”. (Isso infelizmente reflete muito o quanto precisamos lutar todos os dias, apoiando e ajudando os nossos irmãos, vale ressaltar que donos do mundo são os negros, somos TODOS filhos da África, sinto muito se você não sabia viu, mas a África é o berço da humanidade, neném.)

O custo de vida compensa?
SUPER! Em relação a moeda daqui, hryvnias, o real é valorizado. Já foi mais, quando eu cheguei era 1 pra 8 agora está 1 pra 4, mas acaba que compensa sim. Além disso, os gastos que eu tenho aqui para ter um padrão de vida bom seriam cerca de 4 a 5 vezes maiores caso eu quisesse ter esse mesmo estilo de vida em São Paulo.

Nos fale um pouco sobre segurança e liberdade, coisa que pouco temos no Brasil.
Moro num bairro que não é no centro da cidade e, ainda assim, eu tenho 2 parques que dá para chegar a pé, 4 supermercados 24 horas, cerca de 5 a 6 restaurantes 24 horas também, o metrô fica a 10 minutos de casa e, se eu sair dele sozinha às 0h, tá tudo bem. Ando com meu celular na mão e uso shorts e saias do tamanho que eu quiser. É libertador!

Do que mais sente falta do Brasil?
Família e comida. Além do sorriso das pessoas.

Como é o contato com a família à distância?
Todo dia ligo para minha mãe por WhatsApp.

Nos conte um perrengue e algo muito incrível.
Maior perrengue foi o meu processo de visto pois aqui você entra no país, inicia o processo de visto, sai do país e vai até uma embaixada da Ucrânia, pega o visto e volta. A gente fez isso viajando de ônibus para a Bielorrúsia, foi uma viagem muito louca com direito a terroristas e contrabandistas de drogas. Algo incrível foi quando eu estava no metro e entendi a conversa de duas pessoas no idioma daqui pela primeira vez.

Pode nos indicar lugares e atividades muito legais que só quem mora conhece?
Nossa, tem várias, eu tenho até roteiros para turistas com atividades para até 5 dias de passeio (Procurem a Lys, interessados na Ucrânia). Mas, o que eu posso indicar é sair da zona de conforto e ir para uma praia, que na verdade é na beira do rio que corta a cidade. Para alguém que vem de uma realidade de rio Pinheiros e Tietê inabitáveis, foi muito louco ver as praias que permeiam o Dnipro.

Qual ou quais dicas você daria a quem tem o sonho de morar fora?
Vá mas vá com responsabilidade. Não corra o risco de ficar ilegal e tenha sempre, sempre, um plano B.

Kiev

Fantástico né? Quando conseguimos ter uma percepção através de uma pessoa que já vive um tempo em um lugar diferente, vivendo em condições melhores do que as que vivia em seu País de origem (o que é uma pena em contra partida).

Para conhecer mais sobre a Lys, abaixo tem alguns meios de conhecê-la:

Instagram: @lys.lispector

YouTube: Lys Lispector

Espero que as dicas tenham te ajudado, ou mesmo possibilitado abrir a sua mente sobre o País que a Lys vive! No próximo post teremos um outro lugar para conhecermos mais.

E você, mora fora e quer nos contar um pouco mais sobre o local que vive? É só me chamar via redes sociais, nos comentários ou por e-mail e vem compartilhar conosco!

Curta as redes sociais e acompanhe as minhas viagens através do instagram: aventurasdacah

Um comentário

  • Liv

    Caraca, quanta coisa incrível!!! Nem todos os países são iguais e acho tenso passar por tanto perrengue, é uma ideia boa ir tentando ver como é a vida em outros lugares. Nossa Lys, vc é muito guerreira! Adorei a entrevista Cah, espero ver outras assim!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *